05/07/2018

Preços entre itens de camping e pesca variam até 633%, diz Procon

O Procon Goiás também preparou um guia de sobrevivência com orientações para a prática dessas atividades.

Período de férias chegou e muitos goianos procuram ambientes tranquilos para curtir o descanso, principalmente acampamentos em beiras de rio, acompanhados de uma boa pesca. Mas na hora de preparar um viagem é necessário tomar cuidado com os preços dos produtos, que nessa época do ano sofrem diversas variações.

Uma pesquisa realizada pelo Procon Goiás aponta variações de preços, de produtos idênticos, dentre itens de camping e pesca que podem chegar a 633% na diferença entre o maior e o menor preço. Um exemplo é o valor da caixa de anzol 8 MX – Caixa com 100 unidades, – ref. 4330 – da marca Marine Sport, que foi encontrado a R$ 6 em uma loja e até R$ 44 em outra.

A coleta de preços foi realizada desde os dias 25 de junho até a última quarta-feira (4/7). Os técnicos do Procon Goiás visitaram nove estabelecimentos especializados na venda desses produtos na capital, e coletaram os preços de 98 (noventa e oito) itens, entre eles, barracas, colchões infláveis, lanternas, repelentes, fogareiros, anzóis, linhas, varas, molinetes, caixas térmicas e etc.

Confira abaixo outros exemplos de variações

O aumento médio geral anual dos preços registrado pelo Procon Goiás foi de 3,92%. O órgão levou em consideração os preços médios dos produtos que figuraram no levantamento realizado em julho do ano passado e os comparou com os preços médios atuais. Na compração foi verificado que alguns produtos registraram redução média e outros algumas elevações.

Exemplos de aumentos e reduções médios “individuais” nos últimos 12 meses

Manual de sobrevivência

Com auxílio de gerentes de empresas do ramo de camping e pesca e juntamente com a assessoria de comunicação do Corpo de Bombeiros Militar de Goiás, o Procon Goiás elaborou um check-list com alguns dos itens que não podem faltar, bem como uma série de orientações e cuidados que devem ser observados para a prática de camping e pesca.

O objetivo é poder auxiliar e oferecer mais conforto e segurança aos consumidores que vão acampar. Confira abaixo os itens que não podem faltar na bagagem de quem pretende acampar e pescar nessas férias.

– Lanterna de qualidade e pilhas reserva;

– Repelente para o dia todo;

– Camisa branca de manga longa para ser utilizada em pesca durante o dia e se proteger do sol, mesmo com o uso de protetor solar;

– Protetor solar;

– Colchão inflável é um bom investimento que vale a pena e ajudará a se proteger do frio e manter o conforto;

– Barraca de qualidade e que comporte um número maior de pessoas que o planejado. O custo será um pouco maior, porém, o que deve ser levado em consideração é uma melhor acomodação das pessoas e dos objetos da viagem como colchão, mochilas e assessórios;

– Óculos de sol é recomendado para quem for usar iscas artificiais. Além da proteção contra o sol, protege também contra acidentes envolvendo as lâminas das iscas;

– Coletes salva-vidas deve fazer parte dos produtos a serem levados e devem sempre ser utilizados;

Dicas

Nos casos de pesca durante a noite, é recomendável sempre dar preferência para locais próximo ao acampamento, rio acima, pois havendo algum problema técnico na embarcação, pode-se retornar utilizando os remos.

Equipamentos de primeiros socorros e medicamentos de emergência não poderão faltar como antidiarréicos, antitérmicos, digestivos, etc.

Deve sempre ser evitada a exposição exagerada ao sol, caso ocorra insolação, deve-se tomar um banho frio e utilizar um creme hidratante seguindo a recomendação do fabricante.

Orientações gerais

Além da velha dica de pesquisar os preços, é fundamental ficar atento e procurar aproveitar as promoções comuns nesta época do ano. É importante fazer as compras com calma e sem pressa, pois como esses produtos não são tabelados, a compra sem os devidos cuidados pode representar grande prejuízo.

O consumidor também deve evitar comprar produtos sem procedência (no mercado informal) e que não emitem nota fiscal, como ambulantes e camelôs sem o devido registro. O preço, muitas vezes, pode até ser mais vantajoso, mas o prejuízo pode vir na quantidade e qualidade do produto e caso isso ocorra, é muito provável que o consumidor tenha grandes dificuldades para reclamar sobre o produto.

Para acessar o relatório da pesquisa Clique aqui e para acessar a planilha de preços aqui.

Fonte: Dia Online