16/05/2019

Quadrilha usava grupos no Facebook para aplicar golpes, diz Polícia Civil de Goiás

A Operação Deu Ruim identificou 15 pessoas que atuavam como laranjas numa associação criminosa voltada para golpes na venda de veículos pela internet.

Após quatro meses de investigação, a Polícia Civil do Estado de Goiás, através da Delegacia Estadual de Repressão a Crimes Cibernéticos (Dercc), deflagrou uma operação que tem como objetivo cumprir mandados de busca e apreensão e exclusão de 15 grupos no Facebook que eram usados para aplicar golpes na venda de veículos pela internet.

Segundo informações adiantadas pela polícia, a Operação Deu Ruim identificou 15 pessoas que atuavam como laranjas numa associação criminosa voltada para golpes na venda de veículos pela internet, além de identificar 15 grupos da rede social Facebook, através dos quais eram ofertados diversos ilícitos, como aluguel de contas bancárias para aplicação dos golpes.

Uma empresa fictícia chamada Ferrari Veículos anunciava de forma fraudulenta pela internet a oferta de diversos veículos para venda, apresentando valores atrativos aos interessados na compra. A empresa constava com sendo de Crixás, em Goiás. Entretanto, ela nunca existiu.

Após realizar transferências eletrônicas para garantir a compra dos carros anunciados, as vítimas dos criminosos percebiam que haviam caído em um golpe quando descobriam que a empresa Ferraria Veículos sequer existe fisicamente no endereço informado em Crixás, e os carros, com uma parte já paga, não lhe seriam entregues.

Grupos no Facebook eram usados para conseguir laranjas

De acordo com a polícia, foram identificadas 25 vítimas, e 15 laranjas, que teriam colaborado com a fraude ao ceder as contas bancárias para recebimento dos valores em dinheiro transferidos pelas vítimas. Os mandados de busca e apreensão contra esses foram cumpridos na manhã de hoje (16/5).

Além disso, a investigação também levou a 15 grupos da rede social Facebook, através dos quais diversos produtos de origem ilícita e prestação de serviços criminosos eram ofertados e contratados, tais como aluguel de contas bancárias, venda de cartões bancários e dinheiro falsos e venda de celulares certamente oriundos de furtos e roubos, dentre outros.

Quadrilha usava grupos no Facebook para aplicar golpes., diz Polícia Civil de Goiás
Foto: PC

A Polícia Civil representou judicialmente pela exclusão dos grupos, sendo o pedido atendido e os grupos excluídos. A polícia ressaltou ainda que os 15 grupos do Facebook possuíam mais de 1 milhão e 200 mil seguidores.

Via Dia Online 
Imagens Dia Online