14/01/2020

Motorista que atropelou mãe e filha, em Goiânia, dirigia entre 94 e 104 km/h

Velocidade máxima permitida na Avenida Independência, onde ocorreu o acidente, é de 60km/h. O laudo foi concluído e apresentado, nesta terça-feira (14/1), pela Polícia Técnico-Científica.

O laudo da Polícia Técnico-Científica, concluído e divulgado nesta terça-feira (14/1), apontou que a motorista do carro que atropelou mãe e filha, em Goiânia, dirigia entre 94,62 km/h e 104,07 km/h. A velocidade máxima permitida na Avenida Independência, onde ocorreu o acidente, é de 60km/h. Tudo foi registrado por uma câmera de segurança da região, que mostra o exato momento da batida (vídeo abaixo).

Meiriany Ester Luiz Cotrim, de 27 anos, que estava grávida, e a filha Ana Vitória Luiz da Silva, de 4 anos, estavam atravessando a avenida quando foram atropeladas, no dia 31 de dezembro. O marido da mulher, Raul Rodrigues, e a filha caçula do casal, que estava no colo dele, escaparam do acidente. A família havia chegado em Goiânia pouco antes do ocorrido, para passar a festa de Ano Novo na casa de parentes de Meiriany.

[custom_player src=’zoevideos.net/player/s92bb68fd5dd81c60a5db40dc98216cd8′]

Laudo concluiu que mãe e filha, atropeladas em Goiânia, atravessavam fora da faixa de pedestres

O laudo concluiu ainda que Meiriany Ester e Ana Vitória atravessavam fora da faixa de pedestres. Ainda diante dessa infração, os peritos concordam que se a motorista estivesse dirigindo dentro do limite permitido, poderia ter evitado o acidente.

De acordo com a titular da Delegacia Especializada em Investigação de Crimes de Trânsito de Goiânia (Dict), Nilda Andrade, a motorista pode responder por homicídio culposo e perder a Carteira Nacional de Habilitação (CNH).

Após o acidente, a motorista ficou no local para prestar socorro e foi submetida ao teste do bafômetro, que deu negativo. Ela foi levada por uma carro da Polícia Militar para prestar depoimento na Dict, mas liberada por causa do recesso de Ano Novo. Ela prestou depoimento no dia 10 de janeiro e alegou não se lembrar em qual velocidade dirigia no momento do atropelamento.

Uma perícia no local foi realizada no dia 7 de janeiro. Foram analisadas as marcações, imagens e os pontos de impacto e repouso e avarias no carro atropelador.

Via Dia Online 
Imagens Dia Online