14/02/2020

Universidade Estadual de Goiás nomeia terceiro reitor em um ano

Professor Valter Campos foi nomeado reitor interino da Universidade Estadual de Goiás, na última quinta-feira (13/2), e ficará no cargo até novembro.

Ex-pró-reitor de Graduação da Universidade Estadual de Goiás (UEG), professor Valter Campos, foi nomeado reitor interino da UEG na tarde da última quinta-feira (13/2). Ele irá substituir o Procurador do Estado, Rafael Borges, que assumiu o controle da universidade em setembro de 2019, após saída precoce de Ivano Devilla.

Rafael Borges adotou medidas para manter o funcionamento da UEG nos últimos meses, além de aprovar uma reforma administrativa. Além disso, Valter Campos promete que irá continuar a Reforma Acadêmica iniciada na última gestão.

O Governo do Estado de Goiás esteve a frente da gestão da Universidade Estadual de Goiás nos últimos meses. Agora, com a nomeação de Valter Campos, a UEG volta a gestão universitária para seu próprio quadro de docentes, ou seja, para si mesma.

A UEG também terá nomeados pró-reitores de Graduação e de Extensão e Assuntos Estudantis, diretores dos Institutos Acadêmicos de Ciências da Saúde e Biológicas, de Educação e Licenciaturas, de Ciências Tecnológicas e de Ciências Agrárias e Sustentabilidade.

Ele segue no cargo até novembro deste ano, para quando está marcado a eleição para escolher o reitor efetivo.

No último ano, a Universidade Estadual de Goiás trocou de reitor três vezes

O professor Valter Campos é o quarto reitor da UEG em menos de uma ano no cargo. Ele entra no lugar do Procurador do Estado, Rafael Borges, que por sua vez tinha assumido em setembro após renúncia de Ivano Devilla.

Em entrevistas dadas pelo profissional na época de sua renúncia, ele chegou a falar sobre os desafios e crises que a UEG vinha enfrentando nos últimos anos. Ele ficou no cargo seis meses e renunciou afirmando que isso era muito tempo para uma gestão interina e que não iria apoiar essa “zona de conforto”do estado.

Por fim, essa troca de reitores começou no inicio de 2019, quando Haroldo Reimer se afastou do cargo após investigação da Controladoria Geral do Estado (CGE). Segundo investigação, o reitor estava contratando familiares e amigos para atuar no Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Pronatec).

Via Dia Online 
Imagens Dia Online