10/08/2020

IFG vai revitalizar Pórtico que compõe acervo Art Déco de Goiânia

Um dos marcos do Batismo Cultural da capital, em 1942, monumento será revitalizado e obras devem durar 3 meses, com custo de R$500 mil.

O Câmpus Goiânia do Instituto Federal de Goiás (IFG) recebeu em março de 2020 o ofício do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) que autoriza as obras de intervenção para restauração do Pórtico alusivo ao Batismo Cultural de Goiânia. A Diretoria-Geral do câmpus aguardava o aval do órgão para dar início às obras, que deveriam ter começado em março. Porém, devido a pandemia do coronavírus, as obras serão iniciadas durante o mês de agosto.

A documentação analisada pelo Iphan refere-se ao memorial descritivo que conta com informações técnicas sobre a estrutura do pórtico, bem como suas atuais condições. Além disso, conta com estudos do professor Oswaldo Cascudo, da Universidade Federal de Goiás. Ademais, o memorial contém ainda o relatório de avaliação e projetos de intervenção paisagística, levantamento cadastral e mapeamento de danos.

Com a aprovação integral das intervenções de restauro, o Câmpus Goiânia contratará a empresa Elysium Sociedade Cultural. Ela ficará responsável pela execução das obras. Segundo a diretora-geral do câmpus, professora Maria de Lourdes Magalhães, ter o sinal positivo do Iphan para a revitalização do Pórtico é uma vitória. “Isso é uma luta também das demais gestões. É uma conquista de todos, não somente das gestões, mas de todos os servidores que há quase uma década estão envolvidos nessa luta”, reforça.

A previsão é que todo o processo de restauro dure aproximadamente três meses, conforme cronograma emitido pela Elysium. O valor da obra é de R$500 mil. Os recursos para o custeio das intervenções foram viabilizados pelo Fundo de Arte e Cultura do Estado de Goiás.

Patrimônio e História do Pórtico no IFG

O Pórtico alusivo ao Batismo Cultural de Goiânia, obra do arquiteto Jorge Félix, que também projetou o Teatro Goiânia e o Coreto da Praça Cívica, foi construído especialmente para a Exposição Cultural Econômica da Capital, em 1942. Ou seja, integra, assim como os Blocos 100 e 200, a área do Câmpus Goiânia do IFG tombada pelo Iphan como um bem isolado e edifício público, que compõe o acervo arquitetônico e urbanístico Art Déco da cidade.

O tombamento ocorreu na época em que a Instituição era chamada de Centro Federal de Educação Tecnológica de Goiás (CEFET-GO). Assim, refere-se a edificações erguidas na época da Escola Técnica de Goiânia.

Em matéria sobre o IFG, contamos um pouco mais sobre o Pórtico e o prédio do Instituto Federal. “Nas construções Art Déco do edifício predominam nas fachadas as linhas retas e a limpeza visual. O Pórtico de entrada do edifício é um elemento interessante. Os traços dele fazem referências aos elementos aerodinâmicos. Outra característica arquitetônica também marcante do edifício do IFG são as janelas redondas em formas de escotilhas pouco usadas em outros prédios construídos na capital no mesmo período.” Confira a íntegra aqui!

Inclusive, o #TimeAproveite já fez um vídeo sobre o IFG e a história de Goiânia.

Via Dia Online 
Imagens Dia Online