08/06/2021

Homem é preso suspeito de torturar filho de 8 anos, em Goiânia

Relatos apontam que o menino apanhava com fio, levava choque elétrico, era afogado, tinha a língua apertada com alicate e outras diversas agressões.

A Polícia Civil de Goiás (PCGO), por meio da Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente (DPCA), efetuou a prisão preventiva de um homem suspeito de torturar o filho de 8 anos, em Goiânia.

De acordo com a PCGO, o homem submetia o próprio filho a intensas sessões de crueldade, ocasionando sofrimento físico e mental. A ação policial foi batizada de Operação Cruciatus.

O menino de 8 anos relatou como eram feitas as torturas, dizendo que apanhava com fio e já teve até mesmo a língua puxada por um alicate. Outras duas crianças moravam com o suspeito, mas a PCGO não revelou se também eram alvos de agressões. 

Homem suspeito de torturar filho de 8 anos usava fio, choque elétrico e afogamento

Em relatos do menino à Polícia Civil, ele informou que era constantemente agredido com um fio e, com este mesmo instrumento, o homem descascava, ligava na tomada e dava choques elétricos em diversas partes do seu corpo, como braços, pernas, pés e barriga. Além disso, ainda é possível perceber que as unhas da criança estavam parcialmente arrancadas. 

O menino ainda relatou que o pai o acordava de madrugada para realizar sessões de afogamento, momento que também apanhava com fios em diversas partes do corpo. Ele também destacou que era jogado ao chão e o pai pisava em seu pescoço e cabeça, além de puxar sua língua com um alicate, utilizando diversos outros métodos para provocar dor e sofrimento ao seu filho.

Diante da gravidade do crime e a manutenção da ordem pública, visando evitar a reiteração delitiva, levando em consideração que o investigado reside ainda com outras duas crianças no Setor Jardim Bella Vitta, em Goiânia, a autoridade policial representou pela prisão preventiva do suspeito.

Após as comunicações de praxe, o preso, que possuí um passagem criminal por crime contra a honra, foi recolhido à unidade prisional e encontra-se à disposição do Poder Judiciário.

Via Dia Online 
Imagens Dia Online