09/06/2021

Homem é preso com 30 notebooks desviados de faculdade em Goiânia

O autor confessou integrar organização constituída para desviar mercadorias de empresas e repassá-las a terceiros.

Um homem de 34 anos foi preso em flagrante, na noite desta terça-feira (8/6), com 30 notebooks avaliados em R$ 123 mil. De acordo com a Polícia Civil (PC), os aparelhos foram desviados de uma faculdade em Goiânia.

Conforme apurado, o  investigado e outros integrantes de uma organização criminosa seriam responsáveis por clonar dados cadastrais e bancários de empresas em Goiânia e realizar compras, indicando como endereço de entrega das mercadorias a residência de “laranjas”.

Nesta terça-feira (8), a equipe de policiais civis lotados na 16ª Delegacia Distrital de Polícia (DDP) de Goiânia, conseguiu rastrear uma carga de notebooks que seria destinada à uma faculdade, porém, teria sido desviada para o endereço de um dos estelionatários.

Ao ser surpreendido com os 30 notebooks, o autor confessou integrar organização constituída para desviar mercadorias de empresas e repassá-las a terceiros. Ele foi preso no setor Solar Bougainville, Goiânia. Ao consultar a ficha criminal, os policiais constataram que o suspeito possui antecedentes criminais, sendo preso em outras quatro ocasiões por estelionato, falsidade ideológica e uso de documento falso.

De acordo com a Polícia Civil, as investigações continuam para identificar os demais integrantes da organização criminosa e localizar outros objetos que foram desviados pelo investigado.

Além do homem preso com 30 notebooks desviados de faculdade em Goiânia, outro abre empresa em nome de diarista

A Polícia Civil de Goiás (PCGO) instaurou inquérito para apurar crime de estelionato praticado por um homem que utilizou documento falso em nome de uma diarista para abrir uma distribuidora de bebidas, em Goiânia. A vítima prestava serviços na casa do suspeito.

De acordo com as investigações, o homem conseguiu montar e colocar em funcionamento a distribuidora com equipamentos que comprou com os documentos falsos. A distribuidora foi montada em nome de uma pessoa “laranja” e o estelionatário já estava preparando para abrir um supermercado. O prejuízo causado aos comerciantes que venderam os equipamentos ultrapassa R$ 1 milhão.

Os mandados de busca e apreensão foram cumpridos no último dia 17 de maio, em três locais, para apreender os produtos obtidos com a fraude e devolvê-los às vítimas. Os equipamentos foram apreendidos em um galpão no Bairro Goiá, em Goiânia.

Via Dia Online 
Imagens Dia Online