15/06/2021

Áudio mostra desespero de familiares de reféns do autor da chacina no DF

Segundo informações, o acusado pretendia fazer um ritual macabro com a família que ele manteve refém hoje (15).

Um áudio gravado na tarde desta terça-feira (15/6), mostra o desespero de familiares de reféns do autor da chacina no Distrito Federal, Lázaro Barbosa de 32 anos. O material foi obtido com exclusividade pela TV Record Goiás e disponibilizado ao Dia Online. 

Informações preliminares ainda apontam que Lázaro fez três reféns durante a tarde de hoje (15). Eles estavam em uma propriedade a cerca de 5 quilômetros de Edilândia, povoado de Cocalzinho de Goiás.

De acordo com o secretário de Segurança Pública do Estado de Goiás (SSP-GO), Rodney Rocha Miranda, o acusado pretendia fazer um ritual macabro com a família que ele manteve refém hoje.

Duante a ação, um policial militar teria sido atingido por um tiro de raspão no rosto e foi levado para Hospital Estadual de Urgências de Anápolis Dr. Henrique Santillo (HUANA) de helicóptero. O disparo foi feito, possivelmente, por Lázaro, que conseguiu novamente fugir.

Desespero de familiares de reféns do autor da chacina no DF

Chorando, uma familiar dos reféns chora aliviada ao saber que os parentes estão bem, mas relata momentos de desespero que viveu ao saber que o acusado estava na residência.

“Foram horas de muito desespero. Ficamos sabendo que o bandido estava lá, mas depois não conseguimos mais falar com eles, pois ele [Lázaro] pegou o celular e jogou no rio.”

No áudio a mulher ainda relata que as vítimas foram levadas para o mato depois que o acusado viu que uma refém havia chamado socorro. Quando Lázaro percebeu a aproximação da polícia, deitou no chão com as vítimas e se cobriram com folhas. “Quando a polícia chegou, ele atirou e conseguiu fugir”, relata no áudio. Ouça na íntegra:

[custom_player src=’zoevideos.net/player/sbaa408ae-cac0-4a1f-a627-56c4d835e174′]

Força-tarefa para capturar o acusado

Uma força-tarefa foi montada em Goiás e no DF para capturar o suspeito. A operação conta com equipes da Secretaria de Segurança Pública de Goiás e do DF, além de apoio das polícias Rodoviária Federal e Federal. Os policiais usam cães farejadores, drones e helicópteros nas buscas. As forças policiais não descartam a possibilidade dele ter um comparsa.

Via Dia Online 
Imagens Dia Online