15/09/2021

Mãe e padrasto são presos suspeitos de torturar crianças de 3 e 6 anos, em Mineiros

No depoimento as crianças relataram que a mãe e o padrasto amarravam elas em um pau com a mão para cima e, caso elas se soltassem, apanhavam.

Nesta quarta-feira (15/9), uma mãe e um padrasto foram presos suspeitos de torturar crianças de 3 e 6 anos, em Mineiros, na região sudoeste de Goiás.

A mulher e o homem foram presos pela Polícia Civil de Goiás (PCGO), por meio da Delegacia de Mineiros. As crianças, um menino de 3 anos e uma menina de 6, compareceram na delegacia acompanhadas da conselheira tutelar.

Segundo a Polícia Civil, inicialmente, foi detectado que as vítimas estavam com lesões no corpo e reclamavam de muita fome, estando, inclusive, tremendo. As crianças relataram à PCGO que os investigados amarraram o menino com uma cinta e, após ele começar a chorar, colocaram um pano na boca dele.

Ainda no depoimento, as crianças relataram que a mãe e o padrasto amarravam elas em um pau com a mão para cima e, caso elas se soltassem, apanhavam. O menino também disse não gostar de quiabo e que, os suspeitos enchiam o prato com o alimento, forçando-o a comer até vomitar.

De acordo com a Polícia Civil, as crianças ainda relataram que apanhavam, frequentemente, com chinelo na boca, até inchar, e que não havia o fornecimento regular de alimentos, o que segundo a PCGO, foi confirmado pela magreza detectada em uma delas.

Após a colaboração da Polícia Militar de Goiás (PMGO), os investigados foram conduzidos até a Delegacia de Polícia. Eles responderão pelo crime de tortura.

Além dos suspeitos de torturar crianças, outros foram presos suspeitos de agredir os dois filhos, em Cristalina

No dia 6 de julho deste ano, uma mãe e um padrasto foram presos suspeitos de agredir os dois filhos, em Cristalina, no Entorno do Distrito Federal. O bebê de um ano e 11 meses está internado na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) em estado gravíssimo e o irmão dele, de 3 anos, foi internado com ferimentos no corpo e na cabeça. Eles foram internados em um hospital do DF.

Segundo o delegado Juliano Campestrini, a mulher e o marido optaram por ficar em silêncio durante o depoimento. De acordo com o delegado, as crianças foram levadas pela mãe para uma unidade de saúde da cidade em busca de atendimento médico, no local, o plantonista suspeitou das lesões e questionou à mulher como foram causadas.

A mulher teria alegado que as crianças caíram do carrinho de bebê. A Polícia Militar foi chamada e decidiu conduzir a mãe para a delegacia. Em seguida, a Polícia Civil encontrou o padrasto escondido em uma casa no mesmo bairro onde mora e efetuou a prisão.

O delegado explica ainda que, com o padrasto, foi encontrado um chinelo que tem as marcações na sola muito parecidas com as lesões que aparecem no dorso das crianças. Por isso, o objeto foi apreendido para perícia.

Via Dia Online 
Imagens Dia Online