15/10/2021

Ginecologista é indiciado por violação sexual de quatro vítimas de Abadiânia

Investigação aponta que os crimes foram cometidos na clínica onde o médico atendia, durante os meses de julho, agosto e setembro deste ano.

O ginecologista e obstetra Nicodemos Júnior Estanislau Morais, de 41 anos, foi indiciado pela Polícia Civil (PC) por violação sexual mediante fraude contra quatro vítimas de Abadiânia, no Entorno do Distrito Federal (DF).

O inquérito policial foi concluído nesta sexta-feira (15/10) e aponta que os crimes foram cometidos na clínica onde o médico atendia na cidade, durante os meses de julho, agosto e setembro deste ano. Segundo o delegado Rosivaldo Linhares, com a finalização do inquérito, já foi solicitada a manutenção da prisão preventiva do investigado. O caso agora será encaminhado para o Poder Judiciário.

De acordo com a Polícia Civil, “a divulgação da imagem e identificação do preso foi procedida nos termos da Lei nº 13.869/2019 e da Portaria nº 547/2021 – PC, conforme despacho fundamentado do(a) Delegado(a) de Polícia responsável pelo inquérito policial, de modo que a publicidade de sua imagem possa auxiliar no surgimento de eventuais novas vítimas, com fulcro na primazia do interesse público e da investigação.”.

Prisão do ginecologista investigado por violação sexual mediante fraude

Nicodemos Júnior foi preso pela primeira vez no último dia 29 de setembro, após denúncia de três vítimas em Anápolis. Quando a imagem dele foi divulgada, mais de 50 mulheres procuraram a delegacia para registrar ocorrência.

No dia 4 de outubro, ele foi solto após decisão judicial e passou a ser monitorado por tornizeleira eletrônica. Entretanto, novas vítimas surgiram em Abadiânia e a autoridade policial pediu novamente, no dia 8 de outubro, a prisão preventiva do investigado.

O médico foi preso em casa, em Anápolis, e depois levado para Abadiânia, onde foi ouvido na delegacia e passou por audiência de custódia no fórum da cidade. Agora, ele encontra-se preso no núcleo de custódia do Complexo Prisional de Aparecida de Goiânia.

Nicodemos nega os crimes e a defesa alega que todos os procedimentos feitos nas pacientes são de cunho profissional. A defesa do médico informou que ainda não tem conhecimento do indiciamento. Espaço segue aberto para manifestação.

Leia mais sobre o caso:

Ginecologista preso por violação sexual teria oferecido cirurgia em troca de sexo

Justiça revoga prisão de ginecologista suspeito de crimes sexuais, em Anápolis

Cremego proíbe ginecologista suspeito de crimes sexuais de atender em todo país

Via Dia Online 
Imagens Dia Online